Você está aqui
Home > 2007 ARQUIVO HISTÓRICO > Sindicato da Policia Civil aprova relatório do Ministério Público

Sindicato da Policia Civil aprova relatório do Ministério Público

Sindicato da Policia Civil aprova relatório do Ministério Público

[ 25/04 – 10h32m ]

Fonte: Márcia Dias (Texto e imagens)

O Presidente do Sindicato dos Servidores da Policia Civil do estado da Paraíba, Antonio Erivaldo, afirmou na manhã desta quarta-feira (25) que o relatório de inspeção das delegacias da policia civil, ratificou o que os servidores da instituição já denunciavam. “Com todo respeito que o nosso sindicato tem ao Secretário Eitel Santiago, quero afirmar que o Ministério Publico, como órgão fiscalizador que é, simplesmente ratificou e comprovou o que o sindicato dos servidores da policia civil vem denunciando há muito tempo e que as autoridades sempre fizeram vistas grossas com as denuncias dos policiais civis através desta entidade” frisou.
De acordo com Erivaldo, entre os anos de 2003 a 2005, o governo do estado comprou apenas 225 armas e seis fuzis. “Isto significa dizer que mais de 50% dos policias recém nomeados estão trabalhando desarmados e sem proteção”, falou, ressaltando que dos 1098 policiais nomeados, mais de 400 já pediram a exoneração.
Em relação à exposição de algemas, e coletes a prova de balas feita em entrevista coletiva na tarde desta terça-feira (24) pelo Secretário de Segurança Eitel, o sindicato afirma que os atuais coletes aprova de balas e as algemas que estão sendo utilizadas pelos policiais em sua maioria estão vencidas. “As algemas e os coletes que foram apresentadas, deveriam estar nas mãos dos policias civis que estão nas ruas, e se existe algemas e armas, estas deveriam ser imediatamente cauteladas e entregues ao policial”, desabafou, afirmando que estes instrumentos são essenciais para o desenvolvimento do trabalho.
Já a questão dos inquéritos que, segundo relatório do MP ficam parados, é decorrente das más condições de trabalho e da falta de viaturas para efetuar as investigações e intimações.
O espaço físico das delegacias também foi destacado pelo sindicato como um dos fatores que interferem no funcionamento da policia. “A delegacia é uma repartição publica que te que ter um ambiente digno, onde haja condições não só para os policias, mas acima de tudo para receber a sociedade que são os pagadores de impostos”, ressaltou, revelando que recentemente que a superintendência da nona região situada na cidade de Cajazeiras, foi despejada por falta de pagamento de aluguel e transferida para onde funciona outras duas delegacias e que foi interditada pela vigilância sanitária por falta de higiene e condições de funcionamento.
Conforme o Presidente, a policial civil da Paraíba recebe atualmente um dos piores salários do país. “Nós estamos reivindicando ao governador do estado o que ele prometeu em abril de 2006, que foi um acordo firmado com todas as entidades associativas sindicais e representativas do grupo da policia civil e que até a presente data não foi cumprido”, falou, lembrando que o assumido não foi cumprido pelo governo do estado e por este motivo à categoria iniciará este mês uma campanha salarial para que o governo regularize o plano de cargos carreira e vencimento.

Top