SERVIDORES EXIGEM DIÁLOGO COM O GOVERNO EM AUDIÊNCIA PÚBLICA NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA/PB

alpb2012A falta de diálogo entre o Governo e os servidores públicos foi o assunto mais comentado da audiência pública ocorrida nesta terça-feira (18), na Assembleia Legislativa. O Fórum dos Servidores denunciou a intransigência do Governo, que ignora a solicitação das entidades para a negociação sobre a database 2013.

O deputado Janduhy Carneiro, autor da propositura, criticou a postura autoritária do Governo, que vem se negando a negociar com os servidores o percentual da database e tem desrespeitado leis relativas a diversas categorias, a exemplo do PCCR dos professores.

Segundo o deputado Vituriano de Abreu, o Governador Ricardo Coutinho, ao assumir essa postura, nega completamente seu discurso anterior, que era de abertura ao diálogo e moralidade pública.

O presidente do Sindifisco-PB, Victor Hugo, denunciou que o Governo tem todas as condições de negociar com os servidores, pois o comprometimento da folha de pessoal, de acordo com o que foi publicado em setembro no Diário Oficial, está em 43,63%, abaixo do limite da Lei de Responsabilidade Fiscal para a folha. Além do mais, a arrecadação de ICMS de janeiro a novembro cresceu mais de R$ 335 milhões em relação ao mesmo período de 2011.

Indiferença do Governo

De acordo com Francisco Fernandes, da APLP, na Paraíba atualmente existe o reinado da indiferença em relação às entidades. Ele falou sobre o corte de gratificações e desrespeito ao PCCR do Magistério. A fala do Coronel Francisco foi seguida pelo representante do Sintep, Paulo Xavier e pelo presidente da Afrafep, Alexandre José, que questionou o discurso de valorização do servidor, por parte do Governo, que não condiz com a realidade de desrespeito.

aervialdohsBertoldo Gomes, representante do Sisipep, comentou sobre o corte de vencimentos dos servidores da previdência paraibana na aposentadoria, que, para ele, é alarmante. Antônio ErivaldoHenrique de Sousa, presidente do Sindicato da Polícia Civil e da Nova Central Sindical–NCST, também falou sobre a não incorporação de gratificações.

Caos no serviço público

O presidente do Clube dos Oficiais, Coronel Francisco, comentou que o investimento do Governo em capacitação da segurança pública foi de menos de 1%. “A sociedade precisa saber e o Fórum dos Servidores irá sempre mostrar a verdade”, disse. A necessidade de reforçar a mobilização e mostrar à sociedade a falta de diálogo do Governo junto ao servidor foi reforçada pelo presidente do Sindicato dos Jornalistas, Rafael Freire, pelo presidente da Asprenne, Gilson Nunes e pelo presidente do Simed, Tarcísio Campos.

A presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Fundac, Lúcia Brandão, falou a respeito da precariedade do trabalho dos servidores da Fundação. Ela denunciou homicídios que acontecem entre os adolescentes internos nas unidades de recuperação e que o Governo encobre os fatos que ocorrem.

Representantes do PSOL, CUT e Conlutas, Fabiano Galdino, Paulo Lima e Antônio Radical ressaltaram a importância da união contra o autoritarismo do Governo e reivindicaram a criação de uma comissão de deputados para provocar o diálogo junto ao Governador.

Assembleia Legislativa aberta ao diálogo

O deputado Guilherme Almeida encerrou a audiência pública colocando a ALPB à disposição dos servidores para buscar a negociação. “A Assembleia cumpre o papel de defender o povo e a Paraíba, e contribuímos com a busca de uma saída que contemple os anseios do serviço público que move a máquina estadual”, finalizou.

Fonte:
Sindifisco/PB