Você está aqui
Home > 2012 ARQUIVO HISTÓRICO > POLÍCIA CIVIL DA PARAÍBA – 31 ANOS DE…  

POLÍCIA CIVIL DA PARAÍBA – 31 ANOS DE…  

policiacivil2011Ontem (21/08), a Polícia Civil da Paraíba completou 31 anos de existência, já que ela foi criada oficialmente em 21 de Agosto de 1981 pela Lei nº 4.273. Passadas essas três décadas, tentamos decifrar o que significam para a sociedade paraibana as letras que resumem a velha PC de guerra na Paraíba.
PC de “abandono”

Pouco Cuidado. Em que pese a importância de sua função na sociedade, tendo em vista ser ela a Polícia Judiciária e, como tal, um braço crucial para o que chamamos de “fazer Justiça”, a Polícia Civil sempre foi abandonada nesses seus 31 anos. Afora os ‘avanços’ inevitavelmente configurados na progressão natural da humanidade, os passos ainda são muito lentos para alcançarmos a justiça que almejamos.

PC de “incorreção”

Pluri Cicatriz. A falta de

políticas consistentes no decorrer desses 31 anos chega a nos levar ao pessimista entendimento de que os problemas são eternos, irreversíveis. Entra governo, sai governo, e muitas delegacias [por exemplo] que nasceram há três décadas ainda têm a mesma cara. Profissionais que resolveram abraçar a profissão em 21 de Agosto de 1981 ainda enfrentam problemas da época. O tempo passa, e as feridas deixam suas marcas.

PC de “evasão”

Parco Contingente. De acordo com a Secretaria da Segurança e Defesa Social, hoje, passados 31 anos de vida, a Polícia Civil da Paraíba conseguiu juntar apenas 1.905 integrantes em seus quadros, para atender um estado que passa dos 3 milhões de habitantes. Em três décadas, três concursos públicos (o último ainda inconcluso). E muitos que decidiram ingressar na PCPB nesses certames, resolveram sair dela e procurar guarida melhor em outros estados e/ou atividades.

PC de “desrespeito”

Pífia Compensação. Se um bom salário não fosse fundamental para se fazer justiça, a remuneração dos profissionais do Poder Judiciário não seria tão atraente. Assim, como podemos pensar em “Justiça” na Paraíba se um policial civil recebe menos do que um vigilante da Universidade Estadual da Paraíba (NADA CONTRA a profissão)?

PC de “menos mau…”

Parada Consciente. É justo que frisemos a relativa mudança de paradigma em aspectos pontuais: a Central de Polícia Civil de João Pessoa e em Campina Grande; Academia de Ensino de Polícia (AEP) e novo Instituto de Polícia Científica; equipamentos de segurança individuais cedidos aos policiais (armas, coletes e munições), dentre outras melhorias. Mas como dissemos, ainda é muito pouco para quem nasceu há 31 anos.

PC de “acalento”

Profissionais Compromissados. O único fator que resgata o significado das duas letras em destaque neste texto é o profissionalismo dos que, sob todas as dificuldades, ainda tentam levar à sociedade as primeiras trilhas que nos mostram os corredores da Justiça. Mesmo injustiçados em vários quesitos, os PCs da Paraíba seguem na luta por uma sociedade mais justa.

Fonte:
Paraíba/QAP

Top