João Pessoa registra o 91º assalto a ônibus em três meses


Polícia – Sábado, 15 de Março de 2008

João Pessoa registra o 91º assalto a ônibus em três meses

Mais um ônibus de transporte coletivo foi assaltado em João Pessoa. O roubo aconteceu na noite de quinta-feira a um ônibus da Empresa São Jorge, que faz a linha 104, quando trafegava pelo Bairro das Indústrias. Desta vez foi levado apenas o dinheiro que estava com o cobrador. Com este são, pelo menos, 91 coletivos assaltados este ano.
De acordo a polícia, por volta das 20h30, quatro homens, sendo um deles armado entraram no ônibus e levaram a quantia de R$ 134. Desta vez não ouve arrastão entre os passageiros. Os homens fugiram com destino ignorado e, apesar de rondas, a polícia não conseguiu prendê-los.
O diretor executivo da Associação das Empresas de Transportes Coletivos de João Pessoa (AETC/JP), Mário Tourinho, disse que os empresários se comprometeram instalar câmeras nos ônibus coletivos. A estimativa é que até junho metade da frota esteja com os equipamentos.
Depois da implantação dos cartões eletrônicos, os assaltos não geram grandes prejuízos às empresas, mas os usuários têm sido alvos freqüentes dos bandidos, que roubam seus pertences e extraviam seus documentos. “Operadores e passageiros convivem com o medo. Ainda tem os problemas com os desvios de rota e a perda de viagens”, disse.
“Todo mundo tem medo. Todos estamos assustados com os assaltos que acontecem nos ônibus. Tenho que pegar ônibus a noite, por causa do meu trabalho, quando estou dentro, fico nervoso, tenso. Já fui assaltado duas vezes, uma em um ônibus vindo da cidade de Alhandra e a outra indo para casa, no Grotão”, disse Ermando Bernardino.
“Fico com receio, mas tem que andar. Ainda não fui assaltada, mas tenho medo. Seguro a bolsa com força, porque o pouco que levarem, vai fazer falta”, comentou Minervina de Souza.
“Tenho medo sim. Não ando com celular, nem com dinheiro, nem com cartão de crédito. Deixo as coisas de valor em casa e ando só com o necessário. Já fui assaltada duas vezes e não quero ter mais prejuízo”, desabafou Brunna Rachel.
“Só estou há dois meses em João Pessoa, morava em Recife. Lá é pior, mas se não cuidarem aqui vai ficar do mesmo jeito. Saio com pouco dinheiro, só carrego o necessário. Acho que a solução daqui seria colocar câmeras em todos os ônibus”, sugeriu Eline Balbino.

Lidiane Gonçalves