ESTRUTURA PRECÁRIA DIFICULTA INVESTIGAÇÃO


B4 – Paraíba * Domingo, 21 de outubro de 2007 – Cidades

ESTRUTURA PRECÁRIA DIFICULTA INVESTIGAÇÃO

Faltam computadores, telefone e viaturas; em muitos casos, diligências são feitas no carro da vítima


Cristina Fernandes

Segundo o Sindicato dos Servidores da Policia Civil, grande parte das 300 delegacias existentes em todo o Estado precisa de melhorias e investimento em tecnologia e não possui agentes de investigação e escrivãs, o que acaba por comprometer o trabalho de investigação, colaborando, assim, com o aumento da impunidade.
“As péssimas instalações físicas das delegacias representam um grande problema, principalmente no interior, onde muitas funcionam sem viaturas e quando as pessoas vão prestar ocorrência, s diligencias tem que ser feitas com os carros das vitimas ou carros cedidos pelas prefeituras. Tem delegacia que não tem sequer telefone, valendo-se de orelhões. Faltam computadores – e quando existem pertencem aos delegados ou escrivão -, e ate material de expediente. Além disso, em muitas delegacias, os inquéritos são feitos por funcionários cedidos pelas prefeituras, devido à falta de escrivães e as investigações acabam sendo feitas por prestadores de serviços e por pessoas não qualificadas, devido à falta de agentes. Tudo isso se reflete na sociedade e no aumento da impunidade”, denunciou o presidente da entidade, Antonio erivaldo.

1.910 policiais concursados

Segundo um estudo realizado pela Secretaria nacional de segurança Publica (Senasp), entre os anos 2001 e 2003, a Paraíba se destacou por apresentar o maior aumento do número de habitantes por policial civil em todo o país. Em 2001, havia 1.555 habitantes pra cada policial civil. Dois anos depois, a razão foi de 2.954 habitantes/policial civil, o que representou um aumento de quase 50%.
Para amenizar essa defasagem, a Secretaria de Segurança Publica e Defesa Social realizou, nesta ultima gestão, um concurso publico e contratou mais policiais. Atualmente, a Paraíba conta com 1.910 policiais civis o que fez com que houvesse uma redução de 35,5% na razão entre população residente e numero de policiais, nos últimos quatro anos. Atualmente, a razão é de 1.906 habitantes/policial e 250 policiais aprovados no ultimo concurso estão participando do curso de formação na Acadepol. A previsão é de que eles sejam nomeados até o final do ano.
Mesmo assim, segundo o presidente do Sindicato dos Servidores da Policia Civil, Antonio Erivaldo Henrique de Sousa e Silva, a Paraíba ainda possui uma carência de 4 mil policiais civi para atender às necessidades existentes e obedecer ao que esta previsto na lei 5.149/91. Além disso, apenas 1.160 dos 1.245 aprovados no concurso público foram nomeados, sendo que cerca de 400 pessoas (34,4% dos concursados nomeados) já pediram exoneração devido aos baixos salários oferecidos e as péssimas condições de trabalho.