Estado volta atrás e atende reivindicações da Policia Civil

Notícias – 27/06/2007

Estado volta atrás e atende reivindicações da Policia Civil

Fonte: Márcia Dias (Texto e imagem)

Três, das quatro reivindicações básicas solicitadas pelos servidores da Policia Civil da Paraíba, foram atendidas pelo Governo do Estado durante audiência realizada no final da tarde desta terça-feira (26) na Secretaria de Segurança Pública. A categoria que reivindica desde o dia 08 de maio, uma correção salarial, aposentadoria por proventos integrais, lei orgânica e ascensão funcional conseguiu que o governo se comprometesse em até o final do mês de agosto encaminhar a Assembléia Legislativa, um projeto de lei aumentando as vagas do grupo GPC para que haja ascensão funcional e mudança de letra, outro no sentido de que o policial civil ao se aposentar na Paraíba não venha perder as gratificações e a implantação de uma lei orgânica com plano de cargos carreiras e remuneração que terá participação do sindicato. Segundo Antonio Erivaldo, presidente do sindicato, esta audiência foi uma das mais proveitosas, no entanto deve-se esperar a realização da assembléia geral para decidirem se continuam ou encerram a greve. “Em todas as audiências que nós tivemos com o Secretário Eitel Santiago a única proposta que nos chegou foi a de uma correção equivalente a 7%, então não havia se conseguido nenhum avanço em relação às demais reivindicações e só ontem, nesta audiência, com a participação do Secretario da Administração foi que houve o primeiro avanço nas negociações” disse. Em relação ao reajuste salarial da categoria que tinha como proposta inicial um aumento equivalente a 50% do que foi oferecido aos delegados, ou seja, R$ 750,00, não houve muitos avanços. “O governo nos ofereceu um percentual de 11.8% a 19.9% o que equivale a uma correção salarial de R$ 150 a 200 reais, e esta proposta esta sendo trabalhada visto que neste sentido não tivemos avanço, porém avançou nas outras três questões que vem se arrastando ao longo do tempo”, explicou. À tarde, os servidores irão realizar assembléia geral para decidirem se permanecem ou aceitam as propostas do governo e encerram a greve.