CONFEDERAÇÕES ALMOÇAM COM MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO

fig25n 2013

No almoço com o ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, nesta terça-feira (17/12), o presidente da COBRAPOL, Jânio Bosco Gandra, denunciou que as centrais sindicais estão buscando um acordo com o governo federal para aprovação da Lei de Greve do servidor público que deixará os policiais com várias restrições para participar de movimento paredista. Entre elas, a determinação de que o policial civil para participar de manifestações deve deixar suas armas com o delegado, como se este não participasse também de manifestações. Para a Confederação, a determinação é um verdadeiro absurdo.

Além disso, a minuta do projeto de lei em discussão no Congresso Nacional prevê que somente 20 % da categoria pode entrar em greve, devendo os 80% restantes do efetivo permanecer trabalhando. Outro absurdo que inviabiliza por completo a greve da categoria. O discurso do presidente da COBRAPOL foi gravado e assim que possível será disponibilizado em nossa página no Facebook.

No final da tarde, às 17h, Gandra participou de reunião com o relator do projeto na Comissão de Consolidação da Legislação Federal e Regulamentação de Dispositivos Constitucionais do Congresso Nacional (CMCLF), senador Romero Jucá (PMDB-RR), juntamente com representantes das centrais, com o objetivo de informar o descontentamento dos policiais com o texto e que não há consenso na matéria, visto que as centrais não chamaram para participar das negociações a COBRAPOL, a FENAPEF e a FENAPRF.

fig25n2 2013

Por Giselle do Valle
Fonte: Imprensa COBRAPOL