COBRAPOL REJEITA ENCAMINHAMENTO DA LEI GERAL PELA SENASP

logoanimada2010

A COBRAPOL realizou hoje uma reunião com as entidades representativas das classes que compõem a Polícia Civil. Estavam presentes representantes da Associação dos Peritos Criminais, da Federação dos Papiloscopistas, da FEIPOL Centro-Oeste e da Federação dos Papiloscopistas Federais. Apenas os representantes dos Delegados de Polícia não compareceram. A reunião contou ainda com a participação da secretária Nacional de Segurança Pública, Regina Miki.

O objetivo era discutir alterações no texto da Lei Geral numa tentativa de buscar consenso para o envio da matéria ao Congresso Nacional. No entanto, para surpresa dos presentes, a SENASP apresentou o documento que foi encaminhado ao Congresso Nacional e que não corresponde ao que foi acordado com o Ministério da Justiça nas reuniões com a entidade. “O acordo era que o Governo iria apresentar suas alterações para que as entidades pudessem discuti-las e só depois de um consenso o texto seria enviado ao Congresso. O PL que está na Câmara em via de ser votado não corresponde aos anseios da categoria”, afirmou o presidente da COBRAPOL, Jânio Bosco Gandra.

Amanhã, Gandra vai ao Ministério da Justiça protocolizar ao ministro José Eduardo Cardozo as insatisfações dos policiais civis. Caso o Governo insista em votar a matéria do jeito que está, a Confederação também passará um alerta para a categoria e solicitará às suas entidades filiadas e também as demais entidades representativas do setor a procurarem os deputados federais de seus Estados para articular a retirada da matéria da pauta de votação do Plenário da Câmara.

A secretária Nacional de Segurança Pública, Regina Miki, afirmou que vai informar ao presidente da Câmara, Marco Maia, que não há mais consenso na matéria e que irá atribuir à COBRAPOL a responsabilidade pelo retrocesso na Lei Geral. “Queremos uma Lei Geral que seja imparcial e justa para todas as classes. Nossa responsabilidade é a de zelar por uma proposta democrática e justa”, afirmou Gandra.

Por Giselle do Valle
Fonte: Imprensa Cobrapol