Você está aqui
Home > 2010 ARQUIVO HISTÓRICO > 57,6% das armas são ilegais no País

57,6% das armas são ilegais no País

Brasília – O Brasil tem 17,6 milhões de armas leves, 57% dessas ilegais,Revolver2010 aponta o relatório elaborado conjuntamente pelo Instituto Universitário de Altos Estudos Internacionais em Genebra (IUHEI, na sigla em francês), a ONG Viva Rio e o Instituto de Estudos da Religião (ISER). Foram consideradas armas leves aquelas que podem ser usadas e transportadas por uma ou duas pessoas, incluindo as de cano longo.

Divulgado ontem, o relatório “Small Arms in Brazil: Prodution, Trade and Holdings” (“Armas leves no Brasil: Produção, Comércio e Holdings”) foi publicado pela entidade Small Arms Survey, ligado ao IUHEI.

O estudo faz uma ampla análise da presença de armas leves no Brasil, a origem, presença e uso, e as diferenças existentes entre os Estados. Em 72% dos casos, as armas leves pertencem a companhias privadas e a indivíduos particulares, embora tenham sido encontradas diferenças geográficas.

Nas grandes cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília predominam a presença de pistolas. Já nas regiões mais agrárias, como Roraima, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, as armas mais comuns são revólveres e fuzis.

“As realidades locais e regionais devem ser considerados antes de propor políticas adequadas de controle”, especifica o texto.
O relatório assinala que o denominador comum entre os Estados é “o pobre e inadequado registro das armas leves”.

Com relação à produção, o relatório lembra que o Brasil é o segundo maior produtor de armas do Ocidente, e constata “que as armas de fogo usadas pelo crime organizado brasileiro são, sobretudo, de produção nacional”.

“De fato, a produção de armas leves no Brasil cresceu de forma exponencial na mesma década em que se detectou aumento da violência”, especifica o texto.

Atualmente, a produção de armas leves no Brasil representa US$ 100 milhões. As exportações de armas leves, munições e acessórios triplicaram entre 1982 e 2007, gerando US$ 199 milhões.

CORREIO DA PARAÍBA

Redação

Top